Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gotas de Sol

Seg | 11.10.21

Uma questão de perspetiva (e posicionamento na vida)

Menina do Mar

      No outro dia precisei de ir apanhar folhas de outono para levar para a creche. O L. foi comigo e a dada altura apareceu-me com várias folhas bonitas, perguntei onde viu e ele disse que tirou da árvore.

     Comecei a pensar na diferença que faz o nosso posicionamento na vida… Eu andava apenas a olhar para o chão e a procurar as folhas que estavam no chão, sem me ter sequer lembrado de levantar a cabeça para ver como estavam as folhas nas árvores. Ele olhou para cima e viu folhas bonitas, as quais eu agarrei de imediato e coloquei logo no saco (não fossem elas fugir!!!).

     Nesse dia vim para casa a pensar… Assim como aconteceu com as folhas, também surge no nosso dia-a-dia. Há que permitir a nós mesmos olhar em várias direções e estarmos recetivos ao que vem de cada uma delas! Pode ser melhor, pode ser pior… A verdade é que estamos mais atentos a tudo o que nos rodeia e permitimo-nos alargar horizontes, deixando de estar fechados na nossa bolha e na correria do nosso dia-a-dia.

       O que acham desta reflexão??

       Concordam comigo!?

 

_____

Eu queria colocar fotografias, mas continuo sem conseguir... Não sei mesmo o que se passa... Alguém sabe onde posso pedir ajuda!?

Obrigada!

Sab | 09.10.21

Sobre poupar...

Menina do Mar

      Isto de ser adulto não é fácil. Para mim não está a ser, no que respeita a responsabilidades financeiras, pois não nasci num berço de ouro e comecei do zero.

      Ainda me lembro do meu primeiro ordenado! Apenas aí comecei a ter o meu próprio dinheiro e a geri-lo. Sinceramente tive uma boa escola durante a vida (que é como quem diz – uma mãezinha que sempre me ensinou!).

      Inicialmente era fácil… Vivia com os meus pais e as despesas eram poucas… Consegui amealhar para comprar o meu carro (sim, aquele cuja porta da bagageira decidiu cair em cima da minha cabeça…). E tenho-o até hoje (e há-de durar, mesmo com a porta estragada – sim, vai continuar estragada porque assim é certo que não me volta a cair em cima).

       Agora que vivo com o L, a gestão é diferente, mas sou organizada (somos os dois!).

       A questão é que têm de existir prioridades.

       Eu tinha dito ao L. que gostava de tirar um fim de semana no Outono, simplesmente pelo facto de eu adorar o Outono, as cores, o cheiro da primeira terra molhada… Além disso seria uma pausa de descanso entre as férias de Verão e as férias que terei na altura do Natal…

       Mas não pode ser.

       Há prioridades.

       Se me sinto triste!? Muito… Também pelo facto de ainda não termos passado férias juntos…

   Mas esta, de facto, não é uma prioridade. E que venham muitos Outonos onde possamos aproveitar!...

      Neste momento há uma casa onde temos de colocar conforto, há despesas acrescidas que não estávamos à espera…

     No fundo, há que saber fazer uma boa gestão e acautelarmo-nos para possíveis despesas que poderão surgir sem estarmos a contar.

       Custa muito.

    Custa querer viver, passear, saborear a vida de outra forma, aproveitar!... Acredito que um dia iremos conseguir fazê-lo! Apenas não é o momento agora…

 

        E por aí? Há pessoal organizado neste aspeto?

Qua | 06.10.21

Manhã no Hospital

Menina do Mar

      Ontem a porta da bagageira do meu carro caiu em cima da minha cabeça. Estava perto da casa da minha mãe e fui logo para lá colocar gelo. Depois fui à farmácia, deram-me um gel e disseram para estar atenta a possíveis sintomas durante o dia de ontem.

     Ontem não senti nada, mas hoje de manhã tinha algumas dores de cabeça e estava um pouco zonza.

       Ainda fui para o trabalho, mas já lá desatei a chorar. Eu não conseguia parar. Saí e fui ao hospital. Estive lá a manhã inteira no meio daquelas macas todas no corredor da urgência.

      Já se sabe como são as urgências… Coitado de quem para lá tem de ir parar…

    Esperei até que me chamaram à Sala de Cirurgia e eu desatei a chorar pelo corredor fora... Não sabia o que me iam fazer e eu sou muito mariquinhas com estas coisas. Eu estava sozinha. Não se pode ter acompanhantes. O L. estava na rua à minha espera.

    Já junto das médicas desatei a chorar. Estava cheia de medo de ter alguma coisa. Eram duas médicas muito novas. Sinceramente nem sei se estariam a estagiar, pois estava uma médica mais velha com elas (a qual nem olhou para mim)… Só sei que naquela sala elas as duas me trataram muito bem. Viram que eu estava com medo. Acalmaram-me. Depois lá me fizeram os testes que tinham de fazer. Falei com elas e mexeram no local da pancada e depois perguntaram como estava a nível de dores. Como estava dorida de me terem mexido deram-me medicação.

     Mas acalmaram-me logo. Disseram que eu ia fazer um raio x, só para confirmar, mas que lhes parecia estar tudo bem.

      Nesse momento acalmei mais.

      E ainda mais quando me vieram chamar, com o resultado do raio X, e disseram que estava tudo bem.

     Agora estou descansada. Sei que as dores que tenho apenas dizem respeito ao próprio embate e nada de pior aconteceu.

      Foi um valente susto. Graças a Deus não passou disso mesmo…

 

    Mas digo-vos que aquela espera por ser chamada nas urgências e enquanto ia fazer exames foi horrível…

      Nunca gostei de hospitais e até hoje nunca precisei de ir lá em condições piores.

      Coitados daqueles idosos que ali param numa maca, horas e dias…

      Não acredito como é que aquilo que vi e ouvi é possível…

      É muito triste.

Pág. 1/2